Total de visualizações de página

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Gêmeos com Roupas Iguais... Pode?

Existe um tabu na vida dos gêmeos que é saber se podem usar roupas iguais. Muitos não curtem a ideia. Mas alguns gostam... Pode ou é ridículo?

Depende. Depois de certa idade fica meio ridículo sim. Eu e a minha irmã usamos apenas no carnaval e no trabalho, quando há necessidade de uniforme. Muito de vez em quando, saímos com modelos bem parecidos de cores diferentes, mas sempre com a intenção de provocar e brincar com as pessoas na rua. O normal na nossa vida é sairmos diferentes.





Olha, o conselho que a gente dá para quem tem filhos gêmeos é que evite colocar a mesma roupa. Uma criança ainda não desenvolveu completamente a própria personalidade nem a percepção sobre o mundo em que vive.

Se você veste irmãos gêmeos de forma igual, todos na rua vão achar a coisa mais linda e você será abordado diversas vezes para elogiarem os seus filhos. Mas, estará contribuindo para uma confusão mental nas crianças que poderá durar a vida inteira. 

Até os cinco anos de idade, eu não entendia que o meu nome era Flávia e o da minha irmã era Fernanda. Eu achava que as duas eram Flávias! Não compreendia de forma alguma como podiam existir duas de mim no mundo. Mas não era a segunda Flávia, e sim outra pessoa com vontades e pensamentos próprios. Era a Fernanda. Mas se o cabelo era igual, o rosto era tão parecido, a idade, a data de aniversário, os pais, a escola, os amiguinhos, as vivências no dia a dia, os programas de final de semana eram os mesmos, como poderia não ser eu? Isso é muito confuso para a mente infantil.

Aos 18 anos, já adolescentes, eu e a minha irmã ficávamos com tanto medo de sermos comparadas e uma ser considerada mais feinha que a outra, que entramos numa neura de contar até batata frita em restaurante a peso para evitar as gordurinhas a mais e uma não ser a gêmea gordinha.

Hoje, com 29 anos, desenvolvemos um estilo próprio e cada uma tem a personalidade bem diferente da outra. Adoro as roupas dela e ela adora as minhas, mas tem coisas que combinam comigo e outras com ela. A Fernanda adora uma bolsinha clutch, enquanto eu prefiro uma mochila de super heróis. Ela gosta de meninos arrumadinhos, eu prefiro os despojados... Tem um monte de diferenças entre nós que só descobrimos e conseguimos desenvolvê-las depois que nos separamos e fizemos faculdades distintas. Quando morei em outra cidade também ajudou.  Eu e a Fê andamos com a mesma roupa até pelo menos os 11 anos de idade, e por isso demoramos mais para nos separarmos psicologicamente. Hoje, a gente é melhor amiga, mas cada uma sabe exatamente quem é. E acredite, não somos iguais de forma alguma!

Então fica a dica, se gêmeos já têm tantas coisas em comum, a começar pelo dia do aniversário, é altamente recomendável que as roupas sejam diferentes desde cedo. 

Recomendo também turmas separadas na escola, para que cada um faça o tipo de amigos que combina mais com ele próprio, e não com o irmão. Atividades extra-classe diferentes. Repare qual dos dois gosta mais de esportes ao ar livre, qual prefere uma luta, se uma quer dançar, a outra desenhar. Os dois não precisam e não devem fazer tudo juntos. Pelo menos não enquanto são crianças e adolescentes. Depois se eles quiserem abrir uma empresa juntos já adultos, aí é outra história... ;)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Surpreendendo Quem a Gente Ama

Olha eu, Fernanda, de novo por aqui! Gostei tanto de escrever o último post que decidi ser mais presente e ajudar minha irmazinha com o nosso blog. Por falar em presente, é justamente este o assunto do dia. 

Vou contar para vocês o que aprontamos com a nossa pãe Lucinha no aniversário dela deste ano. Digo pãe porque, para quem não sabe, perdemos nossos pais ainda crianças e moramos com a nossa tia maravilhosa desde então. Mas não fiquem tristes, a vida foi e é maravilhosa com a gente, mesmo com estas pedrinhas no caminho...a gente se recupera e segue em frente! 

A tia Lucinha é a nossa mãe, pai, tia e tudo o que envolve amor, ao mesmo tempo! Moramos com ela desde os nossos 11 anos, ou seja: ela ganhou um desafio e tanto! Duas meninas crianças, prestes a entrar na aborrecência, ops, adolescência. E não foi fácil...reconheço que éramos meio mimadas, cheias de vontades e rompantes, caso não fizessem o que queríamos. Idade, né? 

Por isso e muito mais, depois que crescemos e ficamos mais independentes (na verdade no quesito amor sempre seremos dependentes dela), costumamos presenteá-la com coisas inesperadas que ela queira muito, mas nem imagine que possa ganhar algum dia. Já demos tanto presente inacreditável que estávamos sem novas opções este ano. Foi aí que pensamos não em algo físico, mas sim em um grande momento. 

Um mês antes do aniversário dela, que é no dia 15 de março, fomos ao Copacabana Palace, aqui no Rio de Janeiro, para buscarmos informações sobre quartos, restaurantes, valores, etc. Na recepção do hotel nos disseram que lá só é permitido duas pessoas por quarto e que o único em que caberia nós 3 já estava ocupado para a data que queríamos. 

Ficamos momentaneamente arrasadas com a notícia. Foi-se a nossa surpresa. O sonho da tia Lucinha era passar uma noite ali, poxa! Mas ao invés de irmos embora, sentamos no sofá da recepção e começamos a pensar em alternativas. Voltamos ao balcão e perguntamos se existia a possibilidade de reservarmos dois quartos que tivessem algum tipo de ligação entre si. Acertamos em cheio! Esta opção existia. 

Sendo assim, caberiam 4 pessoas nesta brincadeira. Dois quartos interligados e cada um comportava 2 hóspedes. Imediatamente já sabíamos o que fazer: levar a nossa avó Zezé, mãe da tia Lucinha, junto. A vovó sempre quis conhecer o Copacabana Palace! Pronto: já tínhamos o presente de aniversário perfeito de 2016. E assim foi. 

Enganamos as duas dizendo para fazerem uma pequena malinha com uma roupa de banho, uma camisola e uma mais arrumada para jantarmos fora, e inventamos que íamos passar o dia em um lugar qualquer em outra cidade, e que existia a chance de dormirmos no local, caso ficasse tarde. Elas caíram direitinho!

Fomos de carro, eu dirigindo e fazendo percursos estranhos da nossa casa até Copacabana, tudo para elas não desconfiarem. Tia Lucinha e vovó só perceberam o que estava acontecendo quando, já na orla de Copacabana, quando dei uma virada brusca com o carro na entrada do Copacabana Palace e o entreguei para o manobrista. Foi demais!

Já tínhamos combinado com o hotel de ter uma "festinha de recepção" esperando por nós dentro dos quartos, e foi ainda maior a surpresa. Pedimos bolo de aniversário, a champagne favorita dela e outros quitutes que eles disponibilizavam por lá. Tudo maravilhoso. Um aniversário inesquecível! 

Além disso, tínhamos reservado mesa no restaurante italiano de lá, Cipriani, e eles cantaram parabéns com direito a piano e sobremesa, e isso foi surpresa até para mim e minha irmã! Foram dois dias únicos que estão guardados em nossas memórias para sempre. Foi lindo. Valeu a pena cada segundo.

Fizemos vários vídeos pequenos ao longo do aniversário, mas foram todos no aplicativo de celular Snapchat, então, o formato de gravação está na vertical. Já peço desculpas desde agora pela qualidade, mas é a única lembrança gravada que temos...a edição foi feita em um programa amador, não estava no computador que tem o Final Cut, então me virei com o que tinha! Espero que curtam e entendam um pouquinho do que a gente viveu.


sábado, 19 de novembro de 2016

Quem Manda na Dupla?

Eu quase nunca escrevo aqui, sempre é a minha irmã quem faz os posts. Mas agora me revoltei, chega desse monopólio! Tenho tantas coisas legais para falar que dei um chega pra lá na Flávia e roubei o Blog só pra mim. Tô brincando, a gente obviamente continua fazendo ele juntas e é claro que não estou revoltada, apenas tive vontade de escrever um pouquinho...e ela deixou, óbvio, porque é 5 minutos mais nova do que eu. Sendo assim, me deve respeito. 

Sim, como podem ver, sou eu quem tenho grande moral nesta dupla. Sou a mais velha, a sábia, a águia, a chefa, a magnífica. Tá, é brincadeira de novo, a minha irmã também é tudo isso e mais um pouco, mas só um pouco... Enfim, é engraçado ser a irmã mais velha de uma dupla de irmãs gêmeas. Sei que para vocês pode parecer estranho, porque devem achar que nem faz diferença, e realmente não faz; na idade. Mas faz na minha cabeça. 

Desde pequena eu literalmente me sinto como a que deve ter maior responsabilidade sobre as coisas. Sempre me senti mais velha do que ela! Quando éramos crianças, eu ganhava todas as brigas, porque em nossas pequeninas cabecinhas da época achávamos que, se eu tinha nascido antes, ela não podia me enfrentar em nenhuma discussão (ou em tapas, socos, pontapés, etc). Só que no auge dos nossos 10 anos de idade, minha mãe ensinou Flávia a ter coragem de reagir e depois disso o meu reinado nunca mais foi o mesmo.



Flávia percebeu que era capaz de me responder e tudo mais. Descobriu que podia ser tão mandona quanto eu. Com o passar dos anos, fui logicamente amadurecendo e me sentindo mais líder, sabe? Mas não uma líder no sentido ruim, de ser autoritária e tal...uma líder de um jeito bom, que toma a frente das coisas, que procura ser um GPS ambulante só para a irmazinha não ter problemas com os caminhos, que faz os telefonemas necessários porque sabe que a irmã odeia telefonar, e por aí vai. Eu amo ser assim e eu amo a nossa sintonia! 

Crescemos nos amando e nos respeitando
Isso tudo que escrevi é como me sinto, mas saibam que a Flávia é bem mais esperta que eu pra várias coisas! Ela é mais corajosa, por exemplo. Teve uma vez que fizemos arvorismo e ela passou por todos os obstáculos sem medo nenhum, adorando tudo. Já eu, vamos pular essa parte. Tá, vamos falar disso sim, fui eu quem puxei o assunto, ora. Bom, eu empaquei em quase todos os desafios. Teve um que eu estava decidida a não ir. Era mais para o final do circuito...vejam vocês, era uma bicicletinha bem pequena na qual eu tinha que subir para atravessar de ponta a ponta me equilibrando em uma corda. Olhei aquilo e pensei: "Oi? É sério?" - e simplesmente não quis ir.

Era essa a tal bicicleta! Socorro!!!
Formou-se uma fila de outras pessoas que também estavam participando do arvorismo, todas atrás de mim querendo prosseguir, enquanto eu empacava todo mundo. Não cabia mais de três pessoas onde eu estava, então éramos eu, o instrutor e a Flávia. O resto dos aventureiros esperava a medrosa aqui seguir em frente para eles poderem avançar até onde eu estava. E foi ela, a graciosa Flávia, quem conseguiu me desencalhar! Foi na minha frente, mostrou que dava para atravessar e aí sim eu criei coragem e fui. Na verdade, não tinha escolha, porque não dava para descer...ou eu seguia ou ficava ali em cima para sempre!

Já quando o assunto é inseto, nós duas O D I A M O S! No entanto, quando aparece algum no meu quarto ou no dela, é a Flávia quem tira! Ou chama o zelador do prédio para tirar. Mas é ela quem resolve, eu fico bem longe do local do incidente, esperando por um milagre. E quem faz os milagres acontecerem é a minha irmã. 

Se bem que teve um episódio em um Hotel-Fazenda que não foi bem assim. Sabem aquela borboleta que não é borboleta? Uma preta, enoooorme e feia? Pois bem, uma dessas pousou na minha perna e, como eu estava de meia-calça, não senti. Mas a Flávia viu e começou a gritar. Quando eu percebi do que se tratava, saí correndo na direção dela, também gritando, pedindo para que ela tirasse aquilo de mim. Entramos na sala de jogos (que estava l-o-t-a-d-a) fazendo um escândalo, quanto mais eu corria na direção dela, mais ela berrava e se afastava de mim. Foi desesperador! 

Era uma igual a essa, só que maior!!!! ECA!
Corremos e voltamos para o saguão em frente ao salão de jantar, onde a bicha tinha pousado em mim. E ela continuava ali, paralisada, como se eu nem estivesse me mexendo! Estavam ali, também, todos os recreadores, nossa mãe e o dono do hotel (sim, o dono!!!), de pé, com cara de apavorados, querendo saber se a gritaria era porque estava pegando fogo em algum lugar. Que vexame, meu Deus! Acabou que um dos recreadores conseguiu tirar aquela bruxa da minha perna, eu agradeci muito e a nossa mãe queria um buraco para se enfiar de tanta vergonha que ela sentiu!

Ou seja, nem sempre minha irmã é a valente. Às vezes, nenhuma de nós é! Mas o que importa é que somos muito felizes assim e que damos muito certo desse jeito: diferentes, mas parecidas. E este foi o meu post, para vocês verem que eu, Fernanda, também estou presente por aqui! 

Parceria que funciona. Sempre sorrindo ou com cara de...Flávia! 
Beijinhos para todos os nossos leitores amados e até o próximo post!

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Conheça a Nossa Samara Aterrorizante

Eu não sei se é comum entre gêmeos, mas eu e minha irmã temos muitas brincadeiras consideradas estranhas pelos outros e, às vezes, até por nós mesmas. Mas a gente se diverte muito!

Desde pequenas, inventamos uma espécie de dialeto, uma linguagem própria que ninguém entende. Na verdade, não fizemos de propósito. Sabe aqueles povos indígenas que vivem em uma aldeia e conversam entre si usando a língua da tribo? Pois é, acho que é mais ou menos por aí... gêmeos tendem a criar um universo paralelo, um mundinho colorido onde só eles vivem, só eles se entendem. O bom é que conseguimos nos expressar e falar coisas na frente de quase todo mundo sem que ninguém perceba. Por exemplo, se tem uma pessoa muito chata falando algo com o qual eu não concordo e a Fernanda está por perto, eu olho pra ela em uma fração de segundo e ela já sabe que estou pedindo socorro. Se alguém está contando uma história pra gente que uma das duas acha que é "desculpa esfarrapada", no meio do assunto a gente se olha e pronto, as duas já sabem o que está acontecendo. Quem está falando NUNCA percebe. Algumas vezes, familiares ou amigos próximos reparam que estamos nos comunicando, mas não entendem exatamente o que estamos falando uma pra outra. É engraçado... 

Algumas das nossas brincadeiras e expressões acabam extrapolando os limites do mundo gemical e invadindo o mundo real onde outras pessoas vivem. É aí que fica interessante. Porque alguns adoram e fazem tudo com a gente. Querem aprender as nossas músicas (tipo Cafezinho Gourmet, vai no post anterior pra entender), os nossos gritinhos, as interjeições que inventamos para expressar certas coisas que existem na vida, mas que ainda não foram explicadas no dicionário..."Hoê", "Uin", "Heêêan" são algumas delas. Para cada palavrinha dessa, tem um significado real, mas não tem tradução no português nem em nenhum outro idioma, porque são expressões nossas que criamos para falar coisa que... ai, não dá pra explicar! Em um próximo post a gente escreve e grava vídeo para vocês entenderem a nossa maluquice. Os gêmeos que estão lendo com certeza já entenderam, né?!

Vamos deixar pra vocês hoje um vídeo que gravamos na 32ª Bienal de São Paulo- Incerteza Viva, no parque Ibirapuera. É uma exposição bem interessante que fomos na sexta feira passada e super recomendamos! Lá, colocamos em prática uma das nossas brincadeiras favoritas, a "Samara", que faz muito sucesso no Snapchat! É nesse tipo de situação que eu digo que as nossas brincadeiras internas extrapolam limites e invadem o mundo de vocês... 

Link para o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=DhHvPvGwRU4

Link para o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=DhHvPvGwRU4 






quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Quando Inventamos o Cafezinho Gourmet

Link para o vídeo no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=MKMpFriu7ek

Pra você que lê os nossos posts, mas não nos conhece pessoalmente, um cafezinho gourmet pode significar apenas um momento de café e guloseimas. Mas nossos amigos, familiares, conhecidos e seguidores do Snapchat sabem que é muito mais. E agora você saberá também.

Não há nada mais gostoso do que sentar com a sua irmã num lugar agradável para tomar um cafezinho e conversar. Sim, porque mesmo convivendo intensamente uma com a outra, sempre temos papo para colocar em dia. "E de onde vem tanto assunto?"- Você pergunta. Eu respondo: Nem sempre é assunto. Aí você questiona novamente: "Mas se não é assunto, o que tanto vocês fazem sentadas em uma mesa durante horas?"

Ah, a gente fala um monte de besteira, inventa dialetos (sim, gêmeos têm uma linguagem própria e outro dia qualquer eu vou escrever sobre isso) e compõe músicas. É isso mesmo que você leu, músicas. Fizemos uma musiquinha para o café.

Tudo começou na Livraria da Travessa do Shopping Leblon, Rio de Janeiro, um dos nossos cantinhos favoritos. No restaurante de lá, tem uma opção no cardápio que se chama "Café Guloso", mas há pouco tempo se chamava "Cafezinho Gourmet". É um cafezinho com três pequenos e deliciosos docinhos. Eu não estou sendo patrocinada para falar disso, mas faz parte da história da origem da música "Cafezinho Gourmet", que vocês vão ouvir em alguns segundos.

Olhei para a cara da Fernanda e cantei uma parte. Inventei na hora, sei lá, saiu da minha cabeça. Ela olhou para mim e continuou cantando a outra parte, que inventou da cabeça dela. Quando nos demos conta, pronto: Tínhamos o nosso refrão. E ficou sonoro, sabe? Alguns dias depois, inventamos a letra inteira. Tudo isso porque nós amamos tomar um café à tarde, e achamos que esse momento do dia não pode passar desapercebido. Ele merece uma homenagem. Uma canção!

Se você quiser ver a música e aprender a cantar com a gente,  clica no link abaixo que vai direto para o vídeo no nosso novo canal no Youtube! Com certeza você nunca mais vai tomar um café sem mentalizar o refrão...

Link do vídeo "Cafezinho Gourmet": https://www.youtube.com/watch?v=MKMpFriu7ek




quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Sereias ou Baleias?!

Preparação para o verão "gemical"em 3,2,1...... JÁ!

Eu e a Fernanda começamos o nosso projeto verão e resolvi dividir com vocês para ter um pouco de apoio moral.

Quando uma gêmea começa a dieta, a outra também deve começar. Não é que a gente seja a mesma pessoa, mas é que o mundo compara o nosso grau de gordice ou magreza! E isso é um saco. Você nunca está magra ou gorda, você sempre está "mais fininha"ou "mais fortinha"do que a sua irmã. Ei, população do universo, dá pra parar de comparar a nossa massa corporal?! Observem e guardem pra si, porque a pior coisa do mundo pra uma gêmea é ouvir que tem o "rosto mais cheinho"que o da outra. Bom, já vou responder por vocês e dizer que não vão parar, porque é natural esse tipo de comentário e vocês não fazem por mal. Eu entendo, juro!

Então, o que nos resta é fazer juntas o projeto verão. Vocês não nos deixam outra escolha... Tudo bem, a gente aproveita e se diverte! Malhação, abdominais, tapiocas e folhas verdes serão nossos melhores amigos nos próximos dois meses. Vamos sofrer juntas quando bater a vontade de comer um cheeseburguer ou uma pizza... Pelo menos os nossos desejos por "comidas gordas" não costumam surgir ao mesmo tempo. Aí você pensa: "Que legal, uma dá força pra outra!"

Só se for pra comer, né?! Porque nada mais difícil do que tentar resistir às tentações e ter alguém ao seu lado falando insistentemente da torta com leite condensado que viu na esquina. Pior ainda é você ver a sua irmã amada passando fome, louca por um pãozinho de queijo e não poder dar para ela. Parte o meu coração!

Enfim, vamos ver o quão longe conseguiremos chegar nesse projeto, e se no final de dezembro consigo postar uma foto aqui da gente bem sereia... Só não vale comparar! Mentira, vale sim , eu sei que vocês vão...

Beijos, galera, até semana que vem! 

Baleia ou sereia...

terça-feira, 18 de outubro de 2016

We Are Back

"Então vocês nasceram juntas, estudaram na mesma sala de aula, cresceram juntas e agora trabalham juntas? "- Essa é uma pergunta recorrente na nossa vida e eu vou explicar o porquê. 

Depois de muitos anos de amor e afinidade, eu e a Fernanda resolvemos abrir o nosso próprio negócio juntas! Sim, é isso mesmo. Juntas, juntas, juntas, pode repetir essa palavra mentalmente um milhão de vezes. Você vai ver que faz sentido. Tem gente que acha estranho. Alguns fazem cara torta e dizem que não aguentariam ter uma "cópia"ao lado quase 24 horas por dia. E que brigariam muito com o irmão se trabalhassem com ele. Para mim e para a minha irmã, faz muito sentido e isso é o que realmente importa! Para os gêmeos e gêmeas que têm muita afinidade e estão lendo isso, também faz sentido. 

Vou falar a verdade. Não tem ninguém melhor do que um irmão de confiança para abrir uma empresa com você. Se for gêmeo então, melhor ainda! Mas quem não tem um, não precisa ficar triste. Melhores amigos também são ótimos para trabalhar... Mas sabe aquela sintonia entre duas mentes em que uma completa o pensamento da outra? Isso é raro.

Studio Kaena é o nome do estúdio de fotografia que nós abrimos esse ano. A Fernanda é uma jornalista completa, que ama escrever, se relacionar, fazer contatos, parcerias, pesquisar entre muitas outras coisas. Eu já sabia o quanto ela era boa, mas confesso que me surpreendi. A criatividade dessa menina não tem limites e ela acaba coordenando todas as nossas sessões no estúdio e inventando fotos que nem eu, como fotógrafa, poderia imaginar que dariam certo! Sem contar o talento que ela tem para produção de moda, ao contrário de mim, que sou um desastre. Quando uma cliente chega aqui com aquela malinha de roupas para as fotos, eu quase entro em pânico internamente, enquanto a Fernanda fica feliz da vida e começa a abrir a mala curtindo demais aquilo. Monta as produções mais lindas em menos de 10 minutos! E pra completar, faz maquiagem profissional. Ela é demais! 

E eu... bom, eu sou fotógrafa! hehehe 

Amo o que faço! Enquanto a minha irmã cuida de tudo, eu me preocupo com a luz, posicionamento, enquadramento e uma série de outros detalhes técnicos e artísticos das imagens.

Mas nem tudo é um mar de rosas, então de vez em quando saem umas briguinhas... gritinhos... puxões de orelha... só digo uma coisa: tenho pena do arquiteto da sala comercial ao lado, que escuta tudo...

Bom, por hoje é isso! Agora vamos escrever mais pra vocês, porque vimos que muita gente acessou o blog enquanto estávamos ausentes e recebemos e-mails pedindo para voltarmos. 

So, we are back! Join&Enjoy us! =) =)


Quem é quem? Foto por: Sandro Mendonça